AB Inbev Miller

Transações importantes marcaram a semana no mercado de capitais e fusões e aquisições. Acompanhe os destaques da semana selecionados pela nossa equipe:

AB InBev / SABMiller

Os acionistas das empresas AB InBev, de capital belga e brasileiro, e da britânica SABMiller aprovavam a fusão das companhias, formando um grupo gigante do setor de cervejas, reunindo marcas como  a Budweiser, Corona, Foster’s e Stella Artois. A nova empresa vai ser chamada de AB InBev, dando fim à SABMiller. Com um ano em negociações, a fusão ser tornará efetiva no dia 10 de outubro. As ações da empresa terão a cotação principal na bolsa de Bruxelas e cotações secundárias em Johannesburgo e no México.

Juntas, a produção das empresas soma 60 bilhões de litros por ano, volume três vezes maior que a Heineken, terceira maior empresa do setor. Outro dado surpreendente é que a cada três cervejas vendidas no mundo, uma é das duas empresas que se uniram.

O valor da operação foi nada menos que US$ 104 bilhões, entrando para o ranking das cinco maiores operações de fusões e aquisições da história, de acordo com o instituto de análises Dealogic.

Conheça a 5 maiores operações de Fusões e Aquisições

  1. Vodafone, grupo britânico de telecomunicações, adquiriu em 2000 a alemã Mannesmann, especializada em telefonia celular, por US$ 180 bilhões.
  2.  America On Line (AOL) adquiriu em 2001 a Time Warner, por US$ 165 bilhões. Em 2009 os dois grupos se separam.
  3. Verizon, empresa americana, adquiriu em 2014 45% que a Vodafone possuía em sua empresa conjunta nos Estados Unidos, a Verizon Wireless, por US$ 130,1 bilhões
  4.  AB InBev, de capital belga e brasileiro, e a britânica SABMiller aprovaram a fusão das empresas, em 2016, por US$ 104 bilhões.
  5. Pfizer, grupo farmacêutico americano, adquiriu em 2000 a Warner-Lambert, por US$ 90 bilhões.

Granado / Puig

A brasileira Granado, fabricante e varejista de cosméticos e perfumaria, fechou o acordo de venda de 35% da empresa para a Puig, uma empresa espanhola de moda e perfumes. A operação foi divulgada em R$ 500 milhões. A Puig tem sede em Barcelona e faturou 1,65 bilhão de euros em 2015, e tem em seu portfólio marcas de luxo como Carolina Herrera e Jean Paul Gaultier.

As negociações iniciaram em janeiro deste ano e desde junho a Puig tinha a exclusividade nas negociações. O controle da Granado continua com o empresário americano Christopher Freeman, ex-executivo do Citibank, que comprou a empresa em 1994. A Puig terá presença apenas no conselho de administração. De acordo fontes da empresa, o dinheiro da operação será investido na expansão da companhia.

Acompanhe nossos posts, além dos destaques semanais publicados sempre às quintas-feiras, no final do dia, produzimos conteúdos exclusivos no nosso blog sobre o mercado de capitais.

Se tiver dúvidas, entre em contato conosco. Será um prazer!